sexta-feira, 25 de maio de 2018

Ronaldinho Gaúcho se casará com suas duas mulheres, diz colunista


Fonte: Esporte Fera
Aparentemente Ronaldinho Gaúcho está vivendo harmonicamente com suas duas namoradas desde dezembro do ano passado. O craque, Priscilla Coelho e Beatriz Souza moram na mansão do ex-jogador no Rio de Janeiro. Agora o trio está pronto para o próximo passo: oficializar a união.
Pelo menos é isso que afirma a reportagem do britânico Mirror e o colunista Léo Dias, do SBT. De acordo com o jornalista, o casamento está marcado para acontecer em agosto, na casa do atleta no condomínio Santa Mônica, e vai ter como convidados apenas familiares mais próximos.
De acordo com os relatos, Deise Moreira vai ser uma das baixas da festa: a irmã do craque não concorda com o relacionamento a três que Ronaldinho tem levado. Em compensação, a celebração já tem trilha sonora confirmada. O cantor Jorge Vercilo, vizinho de Ronaldinho, vai animar a festa.
As duas mulheres são de Belo Horizonte. Pricilla mantém um relacionamento com o ex-jogador desde os tempos em que atuou pelo Atlético-MG, de 2012 a 2014. Alguns anos depois, em 2016, Ronaldinho começou a namorar Beatriz. As publicações ainda relatam que ambas as namoradas recebem um “subsídio” de cerca de R$ 5 mil do futebolista para gastar como quiserem.


Homem é morto durante assalto em casa de praia no litoral Sul potiguar




Um homem foi morto a tiros no início da noite desta quinta-feira (24) dentro de uma casa na Praia de Barreta, no litoral Sul potiguar. Segundo a Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), criminosos chegaram para assaltar a residência e atiraram contra Ricardo Bezerra Freire, de 49 anos, que não resistiu aos ferimentos. Ninguém foi preso.

De acordo com a polícia, o crime aconteceu por volta das 18h na avenida principal, próximo ao Barreta Praia Clube. Pai e filho chegaram na residência com compras. Encapuzados, dois criminosos aguardavam no quintal da casa.

Ainda conforme a DHPP, quando as vítimas já estava dentro da residência, um dos criminosos invadiu a casa pela porta da cozinha e anunciou o assalto. No momento em que o pai foi pegar dinheiro, os criminosos atiraram contra o filho. Atingido na perna, Ricardo Bezerra, correu para um dos quartos, ele foi perseguido pelo assaltante e levou mais três tiros.

O Samu foi acionado, mas quando chegou ao local Ricardo Bezerra já estava sem vida. De acordo com um dos parentes da família, os bandidos fugiram levando o celular de uma das vítimas.

A polícia não soube informar se houve alguma reação por parte das vítima. O crime está sendo tratado como latrocínio, que é o roubo seguido de morte.


Governo e caminhoneiros anunciam proposta de acordo para suspender paralisação por 15 dias





Após uma reunião de mais de seis horas com representantes de entidades de caminhoneiros, os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil), Carlos Marun (Secretaria de Governo), Eduardo Guardia (Fazenda) e Valter Casimiro (Transportes) anunciaram na noite desta quinta-feira (24) a proposta do governo de um acordo para a suspensão da paralisação da categoria, que há quatro dias provoca bloqueios de rodovias e desabastecimento em todo o país.

Pelo texto do acordo, os representantes das entidades de caminhoneiros que ficaram até o final da reunião se comprometeram (à exceção de um) a "apresentar aos manifestantes" os termos do acordo.

Questionado se, com o anúncio, haverá normalização da situação, Padilha disse acreditar que a “qualquer momento” o movimento dos caminhoneiros começará a ser “desativado”. Mas protestos já começam a ser registrados em diversos estados na manhã desta sexta-feira(25).

Ontem, o ministro previu que, até segunda-feira (28), estará normalizada a situação nas rodovias. “Se nós começarmos hoje [quinta, 24], como imagino que vá acontecer, possivelmente nós deveremos ter um fim de semana, quem sabe até segunda-feira, todos os pontos normalizados”, declarou Padilha.

Ele mencionou a dificuldade para a entrega de medicamentos a hospitais e de produtos aos supermercados e fez um apelo aos manifestantes: “Nós precisamos que todos vocês, caminhoneiros, retomem a atividade. O Brasil precisa de vocês”, afirmou.

O presidente da Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA), Diumar Bueno, disse que vai repassar à categoria o acordo firmado com o governo para definir o fim da greve. “A categoria vai analisar, e o entendimento é deles, se isso foi suficiente para eles ou não”, declarou.

Ele também disse que não pode “dimensionar” quanto tempo levará para o movimento ser desmobilizado. “Acho que os caminhoneiros vão ter a responsabilidade, ter o entendimento do que foi conquistado para eles e começar uma desmobilização de forma pausada, organizada, sem correria. Não posso precisar quanto tempo vai levar. Acho que deveria encerrar a partir de amanhã [sexta-feira, 25] de manhã”, afirmou.

No Rio de Janeiro, o governador Luiz Fernando Pezão (MDB) anunciou redução de 16% para 12% do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) do diesel em troca da suspensão do movimento nas rodovias do estado.

Os pontos do acordo

Pela proposta, o governo federal assume os seguintes compromissos:
·                   reduzir a zero a alíquota da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide), em 2018, sobre o óleo diesel;

·                   manter a redução de 10% no valor do óleo diesel a preços na refinaria, já praticados pela Petrobras, nos próximos 30 dias, com compensações financeiras da União à Petrobras;

·                   assegurar a periodicidade mínima de 30 dias para eventuais reajustes do preço do óleo diesel na refinaria;

·                   reeditar, no dia 1º de junho de 2018, a Tabela de Referência do frete do serviço do transporte remunerado de cargas por conta de terceiro e mantê-la atualizada trimestralmente;

·                   promover gestão junto aos estados da federação para implementação da isenção da tarifa de pedágio sobre o eixo suspenso em caminhões vazios;

·                   editar medida provisória, em até 15 dias, para autorizar a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) a contratar transporte rodoviário de cargas, dispensando-se procedimento licitatório, para até 30% de sua demanda de frete, para cooperativas ou entidades sindicais da categoria dos transportadores autônomos;

·                   não fazer a reoneração da folha de pagamento das empresas do setor de transporte rodoviário de cargas;

·                   requerer a extinção das ações judiciais propostas pela União em razão do movimento dos caminhoneiros;

·                   informar às autoridades de trânsito sobre a celebração do acordo para instrução nos eventuais processos administrativos instaurados em razão do movimento;

·                   manter com as entidades reuniões periódicas para acompanhamento do cumprimento dos termos do acordo, com o próximo encontro em 15 dias;

·                   buscar junto à Petrobras oferecer aos transportadores autônomos livre participação nas operações de transporte de cargas como terceirizados das empresas contratadas pela estatal;

·                   solicitar à Petrobras que seja observada a resolução da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) em relação à renovação da frota nas contratações de transporte rodoviário de carga.

Caminhoneiros

Pelo texto da proposta de acordo, os representantes dos caminhoneiros se comprometem a "apresentar aos manifestantes" a proposta.

"As entidades reconhecem o empenho do governo federal em buscar soluções para atender às demandas das categorias representadas pelas entidades, bem como se comprometem a apresentar aos manifestantes o presente termo para a suspensão do movimento paredista por 15 dias, quando será realizada nova reunião com o governo federal para acompanhamento do adimplemento dos compromissos estabelecidos nesse termo", diz o texto.

Por parte das entidades em greve, assinaram a proposta de acordo:


·                   Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA)

·                   Confederação Nacional do Transporte (CNT)

·                   Federação dos Caminhoneiros Autônomos de Cargas em Geral do Estado de São Paulo (Fetrabens)

·                   Sindicato dos Transportadores Rodoviários Autônomos de Bens do Distrito Federal (Sindicam-DF)

·                   Sindicato Nacional dos Cegonheiros (Sinaceg)

·                   Federação Interestadual dos Transportes Rodoviários Autônomos de Cargas e Bens da Região Nordeste (Fecone)

·                   Federação dos Transportadores Autônomos de Cargas do Estado de Minas Gerais (Fetramig)

·                   Federação dos Transportadores Autônomos de Carga do Espírito Santo (Fetac-EC)

De acordo com o ministro Eliseu Padilha, a única entidade que participou das negociações, mas não assinou o termo de acordo foi a União Nacional dos Caminhoneiros.

Embora a reunião só tenha acabado à noite, o presidente da Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam), José da Fonseca Lopes, deixou a reunião no Planalto por volta das 15h30. Na saída, ele afirmou que a entidade não aceitava a proposta do governo. A Abcam diz representar 650 mil caminhoneiros.

Petrobras


O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, informou que o preço definido para o diesel pela Petrobras na quarta-feira (23) será mantido por 30 dias. A estatal anunciou redução de 10%, sem reajuste por 15 dias.
“O preço ficará fixo nesse patamar que foi definido pela Petrobras por 30 dias. A Petrobras está oferecendo os primeiros 15 dias e a partir do 16º dia isso será pago pela União”, disse Guardia.

O ministro explicou que, após 30 dias, o valor do diesel será reajustado com base na política de preço da Petrobras. Por mais 30 dias, não haverá reajuste.

Guardia afirmou que a União vai compensar a Petrobras, e deverá repassar R$ 4,9 bilhões à estatal neste ano.

"A estimativa que temos hoje é de R$ 700 milhões por mês [que serão repassados pela União à Petrobras]. Se estamos pensando nessa base, até o final do ano dá R$ 4,9 bilhões. Esse valor pode ser menor, porque depende do preço do petróleo e do câmbio. E nós vamos ter que acertar isso mês a mês", disse.

De acordo com o ministro, o governo aguardará a aprovação pelo Congresso do projeto que reonera a folha de pagamento das empresas de 28 segmentos da economia para reduzir Cide ou PIS-Cofins. O ministro lembrou que, ao abrir mão de recursos dos tributos, o governo precisa indicar a fonte que vai compensar as perdas.

"Só podemos fazer decreto da redação, seja da Cide seja do PIS-Cofins, uma vez aprovada a lei que vai reonerar os setores”, disse.

Projeto no Congresso


Sobre o projeto que elimina a cobrança de PIS-Cofins do óleo diesel até o final de 2018, aprovado nesta quarta-feira (24) pela Câmara, o ministro Carlos Marun voltou a afirmar que a decisão foi tomada com base em “cálculos equivocados”.

proposta aprovada na Câmara prevê a renúncia de R$ 3 bilhõescom a eliminação do PIS-Cofins da composição do preço do diesel e, como compensação, a arrecadação do mesmo valor por meio da reoneração da folha das empresas.

Mas o impacto nas contas públicas seria maior do que o previsto pelos deputados - nas contas do governo, a perda com o PIS-Cofins, em vez de R$ 3 bilhões atingiria R$ 12 bilhões.
Marun declarou que o governo vai negociar mudança no texto no Senado. Uma possibilidade é reduzir o PIS-Cofins em vez de eliminar a cobrança.

“No Senado, nós estabeleceremos uma outra rodada de conversas que podem, sim, resultar em alguma diminuição, em uma outra utilização desses recursos, inclusive nesse aporte que o governo vai ter que fazer para que se mantenham durante 30 dias o preço do diesel na refinaria sem nenhum reajuste”, disse.

O texto do acordo


Veja abaixo a íntegra do texto do acordo entre governo e entidades de caminhoneiros:






Temer diz que vai propor aos governos estaduais redução do ICMS do diesel após acordo do governo com caminhoneiros




O presidente Michel Temer (MDB) disse, na noite desta quinta-feira (24), que vai propor a secretários de Fazenda dos estados uma redução do ICMS do diesel, após o acordo do governo federal com os caminhoneiros em greve há quatro dias.

A declaração foi dada durante a transmissão do mandato do atual presidente da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), Olavo Machado Júnior, para o presidente eleito Flávio Roscoe, em Belo Horizonte.

O governo federal anunciou, nesta noite, a proposta de um acordo para a suspensão da paralisação dos caminhoneiros, que há quatro dias provoca bloqueios de rodovias e desabastecimento em todo o país.

"Uma das principais fontes deste acordo está na reduação do PIS/Cofins, da Cide, e amanhã nós convidamos os secretários da fazenda porque a incidência maior do tributo é estadual. É o ICMS e nós queremos que, amanhã, que nós possamos tirar uma parcela do ICMS porque isso reduz o tributo", disse o presidente.

Dentro do cálculo do diesel, os valores praticados pela Petrobras são mais da metade (55%) do preço pago pelo consumidor nos postos; 7% é o custo do biodiesel, que, por lei, deve compor 10% do diesel, e 9% corresponde aos custos e lucro dos distribuidores, conforme os cálculos da Petrobras, que levam em conta a coleta de preços entre os dias 6 e 12 de maio em 13 regiões metropolitanas do país.

Cerca de 29% são tributos, sendo 16% ICMS, recolhido pelos Estados, e 13% Cide e Pis/Cofins, de competência da União.

Após a fala, Temer foi ovacionado por empresários e industriais que participaram do evento.
Na saída, Temer falou sobre a expectativa de que a paralisação esteja encerrada até esta sexta-feira (25). "Firmaram um documento, uma espécie de pré-acordo, de acordo, com as lideranças, que será levado para as várias categorias mas com isso, eu creio, que talvez até amanhã nós teremos solucionado em definitivo", disse o presidente.

Pimentel crítica

Antes do presidente discursar, o governador de Minas, Fernando Pimentel (PT), criticou a política de preços da Petrobras e disse que o presidente da empresa, Pedro Parente, desrespeita a hierarquia e a lógica econômica do país.

“Recente reação do presidente da nossa estatal de petróleo, que aliás muito me surpreendeu porque se trata de um técnico competente e respeitado, ao dizer que seria inaceitável qualquer mudança nesta política visivelmente equivocada, desrespeita não só a hierarquia, posto que o presidente da república é o senhor e não ele, mas principalmente a lógica econômica dos empresários e dos trabalhadores brasileiros”, disse o governador.

Para Pimentel, o Brasil adotar a política norte-americana para preços de combustíveis é errado. “A raiz do problema é o preço dos combustíveis e a forma como ele está sendo administrado. Corrigir isto é atribuição federal incontornável, inescapável, indivisível”.


Quando a irresponsabilidade leva um país ao colapso




Farmácias sem remédios, postos de saúde semvacinas, mercados sem comida. Ameaça de falta d’água no Rio e suspensão da coleta de lixo em São Paulo. Os profetas do apocalipseteriam dificuldade de prever o que acontece noBrasil neste fim de maio de 2018. Em apenas quatro dias, o país chegou à iminência de um colapso.

A crise de desabastecimento não foi provocada por uma mera greve de caminhoneiros. Há participação explícita de grandes empresários de transportes na paralisação. Greve apoiada por patrões não é greve, é locaute. Nem sempre se limita a buscar vantagens financeiras. Pode embutir outros fins, como desestabilizar governos e tumultuar eleições.

O movimento estimula oportunismos de todos os tipos. Donos de postos achacam motoristas em pânico. Parte da oposição festeja o caos. A direita amalucada volta a pedir “intervenção militar”, um eufemismo rasteiro para golpe.

O Congresso reagiu com a irresponsabilidade que se espera dele. Senadores sumiram de Brasília na manhã de quinta, com medo de ficarem sem voos para a folga do fim de semana. Deputados ignoraram um erro grosseiro de cálculo, superior a R$ 10 bilhões, ao aprovarem a redução de impostos sobre a gasolina.

O governo Temer, do qual não se espera nada, conseguiu aumentar sua lista de trapalhadas. Com as rodovias fechadas, o presidente viajou para participar de uma cerimônia de entrega de automóveis. No palanque, disse que o “fato mais importante do dia” era a sua presença na solenidade.

Sem força para peitar os chefes do locaute, o Planalto anunciou uma proposta de acordo no fim da noite. Dobrou-se à chantagem e aceitou torrar mais dinheiro público em forma de subsídios. Tudo em nome de uma trégua de 15 dias, que ninguém sabe se será cumprida.



Polícia Civil fecha Boca de Fumo, apreende drogas e prende suspeitos em Jardim de Piranhas


Blog Jair Sampaio 

Equipes da Polícia Civil e da Polícia Militar, em operação conjunta na cidade de Jardim de Piranhas, na tarde de hoje, cumpriram dois mandados de busca e apreensão no bairro Santa Cecília e apreenderam maconha e crack.
De acordo com o Delegado Leonardo Germano, informações chegadas ao setor de investigações da Polícia Civil davam conta que a pessoa conhecida como Tiago estaria traficando drogas na região atuando em conjunto com a pessoa conhecida como Barrichelo, além de outras pessoas não identificadas.
Os suspeitos estariam se exibindo em redes sociais postando fotografias com drogas e armas. Segundo afirmou o delegado, apesar da pequena quantidade de drogas apreendidas hoje, a materialidade do crime está perfeitamente caracterizada uma vez que, além dos elementos já constantes na investigação, foi apreendido vasto material corroborando a existência de um grupo associado para o tráfico de drogas, inclusive com ramificações na cidade de Caicó.
Quatro pessoas foram presas e estão sendo autuadas pelos crimes de tráfico de drogas e associação para o tráfico, um deles é filho de um Policial Militar de Caicó.